quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Grisalhar : um processo libertador



Há mais de três ou quatro anos que andava com a ideia de deixar de pintar o cabelo. Irritava-me ter de o pintar de pouco em pouco tempo, pois duas semanas depois de cada ida ao cabeleireiro, lá estavam as raízes branquinhas a chamar por mim. Não eram os brancos que me irritavam, era mesmo a "obrigação" de ter de os esconder. Mas cada vez que falava com alguém e dizia "qualquer dia deixo de pintar", ouvia sempre "epá não, ainda és muito nova" ou "nem penses nisso, vai-te envelhecer". E assim se passavam os meses e lá ia eu resignada para me submeter a nova pintura. O problema é que pinturas por cima de pinturas, acabam por estragar o cabelo e o meu estava muito fraco, a cair, muito crespo, já não parecendo nem liso, nem ondulado. Estava feio. Não sabia bem o que fazer, porque a transição para o branco não é fácil, primeiro dá um ar de desleixo, depois um ar esquisito e depois há que contar com 1001 vozes contra que nos chegam de todos os lados. 

A pandemia ajudou-me. Ao vir para casa em teletrabalho e com os cabeleireiros fechados, decidi em Outubro que deixaria finalmente de pintar, a bem da saúde do meu cabelo. De lá até hoje tem sido um processo incrível, de libertação, aceitação e amor próprio. Apesar de todas as vozes discordantes, de todos os comentários depreciativos que ouvi (até da cabeleireira), segui confiante e em frente, segura da minha decisão (pelo menos até agora). Neste momento os meus brancos já me dão pelas orelhas e confesso-me orgulhosa dos meus branquinhos.

Agora, que já foram percebendo que não são só raízes por pintar, há quem me diga que até acha giro, outros que dizem que os meus brancos são muito bonitos. E são, os meus brancos são mesmo branquinhos e brilhantes, tipo prata e eu adoro. Neste momento prefiro investir o dinheiro que gastava a pintar, em bons produtos e bons cortes. 

Se um dia me apetecer voltar atrás (que duvido), volto sem problema. Por agora, sei que consegui chegar até aqui porque gosto de mim, e porque não me deixei afectar pelas opiniões alheias. Fiz o que quis fazer e ainda bem. É um processo transformador, de liberdade de sermos como quisermos. Se aceitamos bem as rugas, porque não aceitamos os cabelos brancos? Porque é que isso incomoda tanto as pessoas? É um padrão estabelecido socialmente de uma maneira tão enraizada que é difícil ir contra.

Conforme li no Clube das Grisalhas (no Instagram) é um verdadeiro processo de transição. Enquanto mudamos por fora, também mudamos por dentro. 

Na imagem podem ver algumas fotos que fui tirando do processo. Na rua defendi-me de olhares de desdém com barretes nos dias frios, bandoletes, lenços. Tenho outras imagens mais recentes e hei-de mostrar-vos etapas mais para a frente.

Uma coisa é certa: a felicidade de ver a verdadeira cor dos meus cabelos, já ninguém me tira!

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Água de Todo o Ano

Gosto muito de descobrir localidades com nomes engraçados e em tempos publiquei algumas imagens. Como esta Água de Todo o Ano, localidade alentejana, perto de Montargil.

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

As leituras dos últimos meses

Embora tenha estado mais concentrada na minha escrita, nos últimos meses mesmo assim consegui ler bastante. Aqui ficam as capas dos livros que li desde início de Abril até final de Agosto. Muitos são de banda desenhada, mas também li outros grandes livros. Desse lado já leram algum destes títulos?





domingo, 5 de setembro de 2021

Uma surpresa da blogosfera

Não conheço pessoalmente as irmãs do blogue Uns têm filhos, nós temos avós mas sigo-as há vários anos, desde que nos cruzámos aqui na blogosfera. Só sei que são umas queridas, que amaram os avós profundamente e se dedicaram para que a sua recta final de vida fosse feliz  e com quentinho no coração. Haverá poucos netos que se preocupam e que amam assim tanto os avós. Os anos foram passando, os avós partiram mas ficou muito amor, muito cuidado em tudo o que fazem. Só assim se justifica a simpatia e o carinho, ao terem-me enviado uns saleiros e pimenteiros antigos, que encontraram em arrumações na famosa Casa Azul. Sabiam da minha colecção e não hesitaram em enviar-me esta querida recordação. E que feliz que eu fiquei. Foi uma das boas coisas das minhas férias, ter recebido este mimo, acompanhado de outros miminhos da Carla e da Luisa. Bem hajam!



sábado, 4 de setembro de 2021

Então e as férias?

Agora que perguntam, foram boas. Os últimos anos não têm sido fáceis e por isso estava mesmo, mesmo a precisar de uns dias em paz, de dolce far niente. E assim foi. Fui para uma parte de Portugal que não conhecia (Montargil e arredores), onde reinou a tranquilidade, com pouca gente e longe da confusão. Exactamente o que eu procurava. Tenho imagens para vos mostrar, mas esta reflecte bem o meu estado de espírito desses dias.



sexta-feira, 3 de setembro de 2021

Pregar por telefone a palavra do senhor

Durante os períodos mais complicados da pandemia, quando estávamos em isolamento, muitas foram as piadas que vi por causa das Testemunhas de Jeová não poderem bater às portas alheias para pregarem a palavra em que acreditam.

Porém, logo se desenrascaram e quem não tem cão, caça com gato. E não podendo ir a casa das pessoas, arranjaram solução. 

Pois bem, estava eu sossegadinha a relaxar nas minhas férias quando recebi um telefonema de um número anónimo. Atendi e era uma senhora muito simpática, que sem se identificar, perguntou se podíamos conversar. Duas ou três palavras depois já eu estava a informar delicadamente que não pretendia continuar a conversa. E ela insistia "mas a senhora sabe qual é o nome de Deus?" "Minha senhora, sei que me vai dizer Jeová, mas não quero na mesma ter esta conversa, só quero saber como tem o meu número de telemóvel". E ela lá explicou que como não podem pregar presencialmente, seleccionam de forma aleatória números de telefone e é assim que divulgam a palavra do senhor Jeová.

Bateu à porta errada, aliás, ligou para o número errado. Logo eu que não faço uma compra que seja por via do telemarketing, nunca iria mudar as minhas crenças e a minha fé desta maneira.


quinta-feira, 2 de setembro de 2021

12 anos de Flores Cores e Amores

Quando ainda há pouco olhei bem para o calendário, nem queria acreditar. Feitas as contas, este meu "Flores Cores e Amores" celebra hoje 12 anos! Como assim já passou uma dúzia de anos? É verdade! Ao todo escrevi aqui 6441 vezes! Durante muito tempo todos os dias publicava e por vezes mais do que uma vez em cada dia. Hoje, com o pouco tempo que tenho, não me sobra para aqui vir como gostaria e comecei a usar mais o Instagram por me poupar tempo. Há quem diga que a blogosfera está a morrer aos poucos por causa disso. Mas acho que cada um tem o seu espaço.

Estou muito grata por todo o percurso traçado até aqui e fiz vários amigos "à conta" deste meu blogue. Ainda há dias recebi uma surpresa de duas irmãs leitoras do "Flores" há muitos anos e hei-de falar disso. 

Também a escrita do meu livro me roubou tempo para aqui vir, mas agora que está concluído, espero aparecer mais, para continuar a mostrar-vos coisas bonitas que vejo e a contar-vos bizarrices que me acontecem. 

Resta-me agradecer a todos por estarem desse lado!



sábado, 28 de agosto de 2021

Livro terminado!

Queridos amigos, há uma razão para a minha ausência. Estive ocupada nos últimos meses a escrever o meu novo livro e terminei esta semana a última página.

Estejam atentos que vou dando novidades!



quinta-feira, 26 de agosto de 2021

Filme "A Protegida" - pronta para a vingança, estreia hoje



Assistimos a mais um visionamento de um filme que estreia hoje. O filme "A Protegida" retrata a história de Anna (Maggie Q) e Moody (Samuel L. Jackson), uma dupla de assassinos profissionais que se dedica a matar pessoas "más". A acção desenrola-se a partir de um trabalho executado por Moody há 30 anos e que não ficou terminado, sendo que cabe a Anna seguir todas as pontas soltas até ao fim para encontrar a pessoa em questão. 

Um filme que não é nada do outro mundo, mas um bom filme para quem gosta de acção e de um pouco de comédia. 

Aqui vai a sinopse, onde poderão conhecer um pouco mais da história e algumas imagens. O trailer podem espreitar aqui.

Resgatada em criança pelo lendário assassino Moody e depois treinada para ser a melhor no crime, Anna a assassina contratada mais hábil do mundo. Mas quando Moody, o homem que era como um pai para ela e que lhe ensinou tudo sobre confiança e capacidade de sobrevivência, é brutalmente morto, Anna jura vingança. Ao envolver-se com um enigmático assassino (Michael Keaton), cuja atração por ela vai muito além do jogo do gato e do rato, o confronto entre os dois torna-se mortal e as pontas soltas de uma vida passada a matar vão-se entrelaçando de forma cada vez mais tensa.

Do realizador de 007: CASINO ROYALE e do estúdio que levou aos ecrãs JOHN WICK.






quinta-feira, 29 de julho de 2021

Jungle Cruise - A Maldição nos Confins da Selva

 

Volto ao vosso contacto para vos falar do Jungle Cruise. Estreia hoje nas salas de cinema, este filme que tivemos a oportunidade de assistir ao visionamento. Nesta aventura da Disney, juntam-se os actores Dwayne Johnson e Emily Blunt numa expedição cheia de peripécias pela Amazónia, ou melhor, juntam-se o carismático Capitão Frank Wolff e a Dra. Lily Houghton, uma determinada exploradora. Lily viaja de Londres para a selva Amazónica e recruta os serviços questionáveis ​​de Frank, para a guiar pelo rio abaixo, no La Quila – o seu charmoso barco que se está a desfazer. Ela está determinada a encontrar uma árvore antiga com capacidades de cura inigualáveis, que pode mudar o futuro da medicina. Impulsionados por esta jornada épica, a improvável dupla vai encontrar inúmeros perigos e forças sobrenaturais, todos à espreita na beleza enganadora da exuberante floresta tropical. Mas, à medida que os segredos da árvore vão sendo revelados, os riscos tornam-se cada vez maiores para Lily e Frank e o seu destino, assim como o da humanidade, estará em jogo.

Um filme divertido, uma história engraçada, onde a acção é uma constante. Um verdadeiro filme de aventuras, cheio de efeitos especiais e que dispõe bem. Ideal para este Verão!

Aqui podem ver o trailer na versão com dobragem para português (embora exista a versão original).






segunda-feira, 17 de maio de 2021

Uma flor selvagem

Bom dia e boa semana para todos desse lado! Ofereço-vos natureza selvagem! Uma flor que fotografei à entrada da praia.

Foto de Alexandra Sousa


domingo, 16 de maio de 2021

sábado, 15 de maio de 2021

Um ano de Kobe

Hoje é o Dia da Família e por coincidência faz precisamente um ano que este amiguinho entrou na nossa. Um gatinho selvagem, que foi adoptado em plena quarentena. E ele adoptou logo a sua caminha, que na altura parecia enorme e que agora já quase não cabe, mas continua a adorá-la. 

Hoje o Kobe (em homenagem ao basquetebolista Kobe Bryant) é um gatão que tem tanto de querido com de terrível, que veio para mudar as nossas vidas, para nos torrar às vezes a paciência e outras vezes para nos derretermos de mimo com as suas posições, mas que também nos faz rir com as suas correrias e brincadeiras e surpreender com a sua inteligência.



Fotos de Alexandra Sousa

sexta-feira, 14 de maio de 2021

A merecida vitória do Sporting

Ainda a digerir a vitória do meu Sporting! 19 anos depois. Uma vitória bem merecida. Com um presidente e um treinador ponderados e educados. Com uma equipa sem vedetas. Parabéns Sporting! Esforço, Dedicação, Devoção e Glória, o lema do Sporting nunca fez tanto sentido.




segunda-feira, 10 de maio de 2021

Mural do Negócio Próprio

Na Graça, em Lisboa, podem encontrar este mural dedicado a quem tem um negócio próprio. A artista é Mariana Malhão.

domingo, 9 de maio de 2021

sábado, 8 de maio de 2021

Árvores com mensagens

 Por altura do Dia Mundial da Árvore, descobri na rua duas árvores com mensagens. Adorei!




Fotos de Alexandra Sousa


sexta-feira, 7 de maio de 2021

Novo mural em Lisboa

 


Que saudades de voltar a andar mais por Lisboa. Descobri este novo mural e achei o máximo!

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Um novo espaço à beira-rio

Já não ia há tanto tempo para esta zona de Lisboa que nem tinha ideia da dimensão da sua transformação. Perto do Parque das Nações, junto ao rio, onde nasceu um novo projecto imobiliário de grande dimensão (mas fraco gosto, pelo menos para mim), nasceu também um novo espaço de frente ribeirinha. Um grande jardim à beira do Tejo. Por ali encontrei pessoas sedentas de ar livre, em pequenos grupos e devido distanciamento social, a apanharem ar e sol.

Um novo espaço verde em Lisboa, bem agradável para um passeio de fim de semana.







Fotos Alexandra Sousa


quarta-feira, 5 de maio de 2021

2021, um ano de renovação


Queridos amigos e leitores, o blogue Flores Cores e Amores teve durante muitos anos uma periodicidade diária de publicações. Porém, no último ano ou mais, deixei de conseguir dedicar-me, como gosto tanto, ao meu cantinho digital. Tenho optado por interagir mais no Instagram, por ser mais imediato, me ocupar menos tempo e é uma rede social de que gosto bastante. Porém, ando sempre com o Flores, Cores e Amores na cabeça, sem saber muito bem o que lhe fazer.

2020 foi um ano péssimo para toda a gente, horrível para mim. Perdi quatro pessoas da minha família, uma delas o meu querido pai, assunto sobre o qual já aqui falei. E confesso que isso me roubou um pouco da minha inspiração e vontade. Também o facto de estar envolvida noutros projectos fez com que o meu tempo ficasse muito reduzido e a minha cabeça não deu para mais.

No entanto, aos poucos, sinto que vou renascendo, uma espécie de desconfinamento pessoal e vou recuperando alguns dos temas que deixei com pontas soltas. Um deles é o meu segundo livro e finalmente retomei a sua escrita, que vai agora fluindo, para ver a luz do dia o mais breve possível.

Há algumas semanas decidi que 2021 seria um ano ideal para renovação e para operar algumas mudanças. Aproveitar para arrumar gavetas, rasgar papelada, organizar documentos, dar coisas que não preciso e outras deitar fora. No fundo, sinto que é o libertar de más energias, para dar espaço a boas energias. Afinal, espero ter muitos anos pela frente e pretendo gozar cada dia da melhor forma possível. E ter tudo mais arrumado faz bem à cabeça.

E por falar em cabeça... também por aqui há mudanças. Já andava há muito tempo a querer deixar de pintar o cabelo. Como o meu cresce muito rápido, depois de o pintar, em pouco mais de uma semana já se começavam outra vez as ver as raízes brancas e era um martírio. E com tantos anos de tinta, estava a começar a ficar crespo, estragado e a cair muito. Porém, a coragem faltava-me e também os comentários de várias pessoas não ajudavam.

No entanto, aproveitando o embalo dos cabeleireiros fechados e de me encontrar em teletrabalho, resolvi de vez fazer aquilo que me apetecia. Não pinto o cabelo desde o início de Outubro. E não consigo explicar a sensação de libertação que isso me dá. Não nego que é um processo chato, que por vezes parece feio, mas a maior parte do tempo estou a adorar e ainda não tive vontade de voltar atrás nesta decisão. Para minimizar o impacto, tenho feito rabo de cavalo, outras vezes uso bandoletes ou lenços. Mas a verdade é que estou a gostar dos meus cabelos que parecem prata e de ver nos outros a sua cor real, coisa que não via há muitos anos. 

No Instagram, há uma página que se chama Clube das Grisalhas, onde muito me inspiro e houve uma frase publicada que não me sai da cabeça "Numa sociedade que lucra com a sua insegurança, gostar de si é mesmo um acto de rebeldia". E é assim que me sinto, segura e a gostar de mim como sou, independentemente das vozes que se erguem a dizer "és muito nova para assumir os brancos" ou "isso vai-te envelhecer". Resposta para esses comentários? - Não quero saber. Entretanto tenho tirado fotografias do processo da minha grisalhice e pode ser que um dia vos mostre aqui.

Bem, a conversa já vai longa, queria dar-vos nota deste meu confinamento, sem prometer nada ainda sobre a periodicidade de aqui escrever, mas com muita vontade de regressar.

E desse lado, como estão? Quero saber tudo!